O futuro celular dobrável Galaxy Fold 2 foi alvo de novas figuras publicadas na internet que mostram como o produto deve ficar a partir de vazamentos recentes. De acordo com o site especializado WindowsUnited, o sucessor do Galaxy Fold traria uma câmera semelhante à do Galaxy S20 Plus, ou seja, conjunto completo com quatro lentes/sensores e um quinto sensor do tipo ToF (tempo de voo, em inglês), muito útil para o Modo Retrato.

Além disso, o modelo deve vir com caneta eletrônica S Pen, tal qual na linha Galaxy Note. As imagens são renderizações, ou seja, imagens feitas pelo computador com projeções do que pode ser o produto final.

O novo modelo da da gigante sul-coreana pode vir com a caneta eletrônica S Pen — Foto: Reprodução/WindowsUnited

Dentro das especificações, há suposições de que a câmera apresente sensores de 108 MP com zoom de até 100x, assim como no Galaxy S20 Ultra. Pode-se esperar um processador Snapdragon 865 da Qualcomm, incluindo suporte a 5G, além da possibilidade de 16 GB de memória RAM.

O analista Max Weinbach, do portal XDA Developers, aposta que a tela do Galaxy Fold 2 terá 7,7 polegadas com vidro ultrafino. O sensor frontal deverá apresentar dois arranjos: câmera dentro da tela quando o smartphone está aberto e outra abrigada em um notch em formato de gota quando o celular está fechado.

Galaxy Fold 2 teria suporte à caneta digital da Samsung, a S Pen — Foto: Reprodução/WindowsUnited

Max Weinbach ainda comentou sobre a possibilidade de o próximo smartphone dobrável da gigante sul-coreana ser apresentado em julho. No entanto, a pandemia do novo coronavírus traz incertezas em relação ao processo fabril das empresas. Recentemente foram fechadas as fábricas da Samsung em Manaus e Campinas.

Galaxy Fold: veja curiosidades do celular com tela dobrável da Samsung

Galaxy Fold: veja curiosidades do celular com tela dobrável da Samsung

Quanto ao preço do aparelho, as apostas são de que o valor se assemelhe ao do Galaxy Fold original, algo na casa de 2.000 euros (R$ 11.285 no câmbio de hoje). Para efeitos de comparação, a primeira versão do dobrável chegou ao mercado doméstico por R$ 12.999, o que consagrou o celular como o mais caro do Brasil.